Whatsapp

(13) 99157-6363

E-mail

shirlei@sonocomapego.com.br

Horário de funcionamento

Seg - Sex: 9h às 18h

Quero te apresentar hoje algo que mudou meu maternar e o modo de me relacionar com meus filhos, o APEGO SEGURO.

E quero começar, pelo começo, então:

 

O que é apego?

O termo “apego” é utilizado para descrever o vínculo afetivo que se desenvolve entre o bebê e seu cuidador principal (normalmente a mãe)

 

Ok. Você está falando do amor de mãe.

Não!

O amor está no seu coração. O apego é o modo como o seu filho entende, enxerga e recebe esse amor.

E acredite, nem sempre é tão claro assim de entender. Principalmente para uma criança

 

Por isso, dizer que uma criança tem apego por alguém significa que ela está fortemente disposta a buscar proximidade e contato com uma figura específica, principalmente quando está assustada, cansada ou doente.

 

Pensando nisso o psicólogo, psiquiatra e psicanalista britânico Edward John Mostyn Bowlby desenvolveu a partir de vários estudos a Teoria do Apego

 

Mais tarde a  psicanalista Mary Ainsworth, que mais tarde, identificou 4 padrões de apego criança-cuidador e suas influências na saúde emocional dos bebês e crianças e seus efeitos na vida adulta

 

Mas, antes vamos entender:

 

Qual a importância do apego?

Acredita-se que os próprios sistemas comportamentais se desenvolvem no bebê como resultado de sua interação com seu meio ambiente e, em especial, de sua interação com a principal figura nesse meio, ou seja, a mãe.

 

Quando a mãe é receptiva para os sinais do filho e responde a eles pronta e adequadamente, a criança desabrocha e o relacionamento desenvolve-se de maneira feliz.

 

As pesquisas de Bowlby mostraram que:

  • Quando a mãe é receptiva para os sinais do filho e responde a eles pronta e adequadamente, a criança desabrocha e o relacionamento desenvolve-se de maneira feliz.

Mas,

  • Quando a mãe não é receptiva, ou não responde de forma a dar à criança o que ela realmente precisa, mas, ao contrário, alguma outra coisa que não a desejada, as coisas não caminham bem.

 

Outra conclusão importante que os estudos de Bowlby e sua equipe apontam é sobre o comportamento do apego

Eles afirmam que:

 

Nenhuma forma de comportamento é acompanhada por sentimento mais forte do que o comportamento do apego.

 

As figuras para as quais ele é dirigido são amadas, e a chegada delas é saudada com alegria.

 

Quando a criança está na presença da figura principal de apego, ou a tem ao seu alcance, sente-se segura e tranquila.

 

Uma ameaça de perda (separação) gera ansiedade, e uma perda real, tristeza profunda; ambas as situações podem também despertar raiva na criança.

 

E quais são os tipos de apego?

  • Seguro
  • Inseguro Evitante
  • Inseguro Ambivalente
  • Desorganizado

 

Cada um deles pode ser identificado conforme a resposta do bebê/criança ao reencontro com seu cuidador principal (figura de apego), da seguinte maneira:

 

O APEGO SEGURO

No apego seguro, os bebês que procuram ativamente a proximidade com seu cuidador no momento do reencontro, comunicam abertamente seus sentimentos de estresse e de ansiedade.

E depois retomam prontamente um comportamento exploratório.

 

O APEGO INSEGURO

Já no apego inseguro (evitante ou ambivalente), os bebês evitam o cuidador no momento do reencontro ou são resistentes ao contato.

E se mostram inconsoláveis e incapazes de voltar a explorar o ambiente.

 

DIFERENÇA ENTRE APEGO SEGURO E INSEGURO

 

E está aí a grande diferença entre apego seguro e apego inseguro. O bebê/criança demonstra insegurança.

Não consegue se sentir segura o bastante para sozinha explorar o ambiente ao redor.

 

O apego seguro é considerado um fator de proteção, tendo sido associado a melhores resultados de desenvolvimento em áreas como autoconfiança, empatia e competência social em crianças começando a andar, na idade escolar e na adolescência

 

Estudos verificaram que bebês com apego inseguro corriam risco de apresentar posteriormente problemas de adaptação como distúrbios de conduta, agressão, depressão e comportamento antissocial.

 

Portanto, a maternagem desempenha um papel crucial.

 

A relação entre a mãe e o bebê, segundo Bowlby, deve estar baseada em acessibilidade e confiança para que a criança se sinta segura.

 

O bebê precisa saber que o seu cuidador é acessível e confiável.

Se a relação mãe-bebê se der assim, é mais provável que ele se torne mais seguro e confiante para ir explorar o mundo.

Por isso é importante passar uma mensagem de acessibilidade constante e consistente ao bebê.

 

E qual a relação do apego seguro e o sono?

 

O bebê/criança precisa se sentir seguro para conseguir relaxar e adormecer, por isso bebês em apego inseguro tendem a ter maior dificuldade para dormir e/ou se manter em sono prolongado

 

Entenda que o apego inseguro pode acontecer mesmo em lares de mães extremamente cuidadosas com seus bebês.

Basta que a mensagem não seja consistente.

 

Como assim Shirlei?

Vou explicar melhor.

 

Imagine que a mãe atende o bebê sempre que ele chora durante o dia, mas a noite para que ele “aprenda a dormir sozinho” ela o deixe chorando no berço.

 

Você entende que é uma mensagem confusa?

Afinal, na cabeça do bebê NÃO É SEMPRE que minha mãe vem me ajudar.

 

E no momento que estou com mais medo, a noite, no escuro, no silêncio… Ela não vem.

Dá pra imaginar agora a insegurança que isso causa?

 

Não estou dizendo que não seja possível um bebê/criança desenvolver autonomia para adormecer. Bem ao contrário.

 

É possível e saudável.

Mas o processo de aprendizado deve ser guiado por uma mãe presente e consciente.

De maneira respeitosa e amorosa.

 

O momento do sono pode e deve ser um momento especial de conexão e fortalecimento do vínculo mamãe e bebê.

 

Saiba que esse vínculo é de grande importância porque esse primeiro relacionamento será internalizado pelo bebê como um modelo mental.

E servirá de base para a construção das futuras relações de amizade e de amor em sua vida.

 

Quando entendi isso, percebi a importância que teria na vida dos meus filhos e isso mudou o meu modo de ver a maternidade e mudou meu maternar.

 

Sei que ainda sou responsável pela alimentação, higiene e educação, mas hoje vejo que oferecer minha presença e fortalecer nosso relacionamento é tão ou mais importante que tudo isso.

 

Gostaria que você também sentisse e vivesse seu maternar com a leveza de um relacionamento

E não com a carga pesada muitas vezes imposta por padrões de uma maternidade com ISO 9001

 

Por isso te convido a se inscrever na minha newsletter para receber gratuitamente o e-book Sono e Apego

E acompanhe semanalmente o conteúdo do meu blog 

 

No blog vou compartilhar com você maneiras práticas de organizar a rotina do sono do seu bebê de uma maneira respeitosa e baseada no apego seguro.

 

E se você deseja noites de sono tranquilas e um maternar mais leve conheça meu curso Método ABCD do Sono

 

Um grande abraço,

 

Shirlei Ribeiro

consultora materno-infantil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.